Archive | May, 2013

Show @ Casarão. Fuzz – 24.05.2013

25 May

Cheguei a noite no Casarão Music por volta das meia-noite. Mal entrei, e fui recebido por amigos e conhecidos. A casa não tava muito cheia, mas também não tava vazia. Parece que tinha cada vez mais gente chegando. E os caras da Vertilia foram a primeira banda. Tocaram lá e agitaram com tudo. O que eu achei interessante, mas, não tenho fotos, é que no amplificador do Felipe, tinham várias action figure/miniaturas de personagens. Hahaha. Meio que sei lá, como se fosse um amuleto da sorte, talvez? Enfim. Eles tocaram os sucessos deles, e eventualmente o show acabou.

Era nossa vez. Chegamos lá e começamos a arrumar tudo, bem rápido. A minha sorte era que eu tinha tirado uma foto durante a passagem de som, do esquema como eu tinha deixado a configuração do amp pra mim. Só fiz ajeitar tudo novamente, e tava pronto pra rolar. Exceto por um problema. Meu pedal de delay começou a fazer um som alto e estranho. Resultado? Tive de “limar” o delay, principal charme de Morning, Pixie. Mas, tudo bem. Seguimos assim mesmo. Ó aí a setlist do show:

Image

 

Quando começamos a tocar The Sideshow, eu senti mais confiança. Minha voz tava boa, o som tava bom. Tinha tudo pra ser lindo. E realmente foi. Comentei com a galera pelo microfone, que tinham realmente muitas pessoas lá. Bem mais do que eu esperava que fosse ter, para um show de estréia de uma banda que ninguém conhece ou ouviu falar.

O show seguiu, tocamos músicas que algumas pessoas conheciam. Tipo, Morning Pixie, Gloria Hopes, e tudo mais… A surpresa é que as pessoas realmente pareceram se empolgar bastante com Mind At All e Revived Our Souls. Gostaram tanto, que acho que serão as próximas duas demos da banda. 

Papo vai, papo vem. Terminamos com Carlos Carn, e a pancadaria do seu final. Pra deixar todo mundo surdo mesmo! Hahaha.

Depois do show, era hora de descer e cumprimentar as pessoas do palco. Sabe como é, né. Agradecer por terem aguentado esse show. Aproveitei pra distribuir umas demos da Mount Peel, de graça mesmo. Só a troco do e-mail de cada um. Por sinal, se você está lendo isso por ter recebido um e-mail nosso, legal. Funcionou.

Enfim, conheci umas pessoas gente boa. Recebi uns elogios de várias pessoas. Vale dar destaque pra um amigo da Faculdade que foi lá e levou amigos com ele, que, talvez sem nem conhecer o som, gostaram da banda, e levaram essas demos pra casa. O grande Netto Battêra, da Turbo, que me deu um abraço no final, e disse que a minha banda é foda. Putz, esse cara não sabe o quanto isso me emocionou. Receber um elogio de um músico experiente é algo significante pra mim. Principalmente quando o cara pede sua demo e ainda pede pra você autografar pra ele. Hahahaha. Vocês são foda.

Foi tudo lindo, as pessoas foram muito gente boa, e espero ver essas pessoas novamente por aí em outros shows. 

Depois disso foi hora de ver a 16-bits. E eles são insanos. O show mal começou e o Homer já tava se jogando no chão. Tocando igual um louco. Hahaha. Fiquei com inveja da energia deles. Queria ser insano assim ao vivo. Enfim, o show deles foi tão foda que no final não aguentamos, e subimos todos no palco pra cantar junto as últimas músicas. E devem ter fotos por aí. Logo mais elas aparecem.

 

OBRIGADO POR TEREM COMPARECIDO! OBRIGADO POR TEREM AGUENTADO ATÉ O FINAL! OBRIGADO POR OUVIREM A MOUNT PEEL! MOUNT PEEL NÃO É NADA SEM VOCÊS. 

 

Até a próxima.

Rádio Unama Fm – 24.05.13

25 May

Bom. Essa foi uma sexta-feira inédita pra todos da banda, sem dúvidas. Foi um dia cheio de coisas a fazer, e, claro, um dia cheio de surpresas. Começou que às 16h nos encontramos no Casarão Music, eu(Breno), Felipe(Vertilia), e logo mais nos encontramos com os figuras da 16-bits(Angelo, Renato e Homer). Tínhamos uma meta: Chegar na Unama da BR até as 17:30. Ia ter uma entrevista lá na rádio só com os vocais da banda, a fim de promover o evento e tudo mais. Nessa longa viagem de ônibus, no trânsito quente, sujo, e caótico da cidade, trocamos muitas idéias. Os caras da 16-bits são muito hilários. Passei praticamente a viagem toda rindo das besteiras deles.

Depois de um saquinho de balas de gengibre, e dois sacos de amendoim, finalmente chegamos. Foi uma curta andança desde a parada de ônibus até a rádio Unama. Não deu nem pra se perder por lá.

Chegando lá foi bem simples. Fomos recebidos pela Hanna Santiago e a Jéssica Oliveira, e rápido nós passamos todas as músicas do EPzinho da Mount Peel pro computador de lá. Logo menos, Gloria Hopes tava pronta pra ser executada. A entrevista foi simples, apenas um recado de todos nós. Convidando para comparecerem ao show. E a música de cada banda tocou na rádio. Foi legal. Nos despedimos e voltamos pro Casarão. Tinha passagem de som a fazer ainda.

E ah, não esquecemos. Aqui tem um trecho da entrevista:

Demos From The Vault.

20 May

MOUNT PEEL

 

Bom, são 21:26 da noite de um domingo quente(19/05/13) em Belém do Pará. E eu senti que precisava vir aqui e contar um pouco sobre o que aconteceu hoje… Há mais ou menos uma hora atrás, as primeiras demos da Mount Peel foram lançadas no ar. E sabe o que isso significa? Significa que é uma grande emoção pra todos os integrantes da banda, poder ver, e ter consigo na pele essa sensação de ver seu trabalho finalizado e rolando por aí. Sendo curtido, e divulgado por todos que também curtiram. Ver as influências se cruzando, e pessoas vindo te agradecer, cada vez mais fazendo você se deliciar da dor de cabeça que foi produzir uma música. Foram dois anos, nada fáceis, cheios de altos e baixos, desde quando ainda eram dois na banda. Mas, finalmente saiu. Tivemos as músicas. Demos que estagnaram no processo de gravação, e levaram mais de três meses para se concluírem. Eu gostaria de mandar um agradecimento especial para o estúdio “das” em Goiânia, de um grande amigo meu. Por ter proporcionado uma mixagem e masterização que foram cruciais pra qualidade deste release. Agradecer a uma ucraniana baixinha e gentil chamada Natali Bruniska, por fornecer todas as artes da banda, e conseguir assim sincronizar nossa atmosfera com imagens que identificam o que sentimos/queremos transmitir como banda.

É um grande prazer estar aqui, e será um grande prazer anunciar que este é apenas o começo. Muito mais vem por aí, e nós todos seremos parte disso.

E ah, as demos? Você quer ouvir? Aqui estão. http://soundcloud.com/mountpeel

Olá. Somos a Mount Peel.

14 May

Este blog foi criado para compartilhar com todos os interessados em saberem mais sobre o backstage dissertado da banda. Coisas que você não vai encontrar por aí. Não vai conseguir imaginar ou saber o ponto de vista dos membros desta banda apenas por uma foto que você viu por aí, ou apenas por ter presenciado todos nós depois de uma conversa. Ok, talvez você saiba. Mas, aqui é onde nós iremos contar uma história. Contar histórias onde, de repente, até você vai estar presente. É a história da Mount Peel. Aquela banda, de Belém do Pará.

Acredito que antes de mais nada devemos começar com uma descrição nossa:

Mount Peel surgiu em 2011, na cidade de Belém do Pará. através de algumas sessões e jams despreocupadas entre dois amigos, Breno Ramos (Branches) e Gabriel Ike. Neste mesmo período Gabriel convida Mateus Pereira, um baterista até então afastado de atividades musicais, para algumas sessões de composições junto com Breno. O trio compôs algumas canções despretensiosamente, sem nenhuma perspectiva de se apresentar ao vivo ou gravar. Depois de alguns meses o trio agrega novos membros: Yves Lisboa (Guitarra base) e Gustavo Mesquita (Baixo). O quinteto começa então a ensaiar e escrever músicas.”The Venice” era o nome da banda. Depois de um hiato, 3 meses se passaram, e Yves acaba deixando a banda. Então os 4 membros remanescentes decidem renovar seu som, e seus objetivos, agora sob o nome “Mount Peel”: uma homenagem ao bairro onde tudo isso aconteceu, longe da euforia do centro da cidade.

 

Integrantes:
Breno Branches – Vocal/guitarra
Gabriel Ike – Guitarra
Gustavo Mesquita – Baixo
Mateus Pereira – Bateria